Home / Campos / Professora assassinada em Travessão é homenageada por alunos.

Professora assassinada em Travessão é homenageada por alunos.

Alunos e professores de uma escola particular, no distrito de Travessão, onde Regiane da Silva Santos dava aula, realizam uma passeata, na tarde desta quinta-feira (11). O objetivo é homenagear a professora que foi assassinada no ultimo dia 3 de julho e chamar atenção para os casos de feminicídio.

A concentração aconteceu às 14h em frente a escola, situada na rua Antônio Luiz da Silveira. Com flores e cartazes nas mãos, o grupo percorre as principais ruas do distrito. Nos cartazes estão escritas mensagens como “Quem ama, não mata, não humilha, não maltrata”; “Parem de nos matar #SomostodosRegiane”. A passeata conta com apoio da Polícia Militar e da Guarda Civil Municipal.

A diretora do Ciep Luiz Carlos Lacerda, onde Regiane também ministrava aulas, Cheyenne Sardinha, participou da passeata e disse que o convite foi distribuído a todas as escolas da comunidade de Travessão.

—Essa passeata demonstra a nossa luta, das mulheres, das nossas alunas e funcionárias, contra o feminicídio e violência doméstica. Apesar de ser uma homenagem a Regiane, a luta é de todas. O convite para essa passeata foi distribuído não só para as duas escolas, como as demais instituições da nossa comunidade de Travessão

Regiane foi executada pelo ex- marido, Paulo Rangel que foi preso um dia depois.

A mobilização contou com a participação de alunos na faixa etária de 14 a 17 anos, que elaboraram os próprios cartazes e deixaram as salas de aula nesta tarde para disseminar as estatísticas sobre violência contra a mulher pelas ruas.

O estudante Pedro Paulo Tavares, de 15 anos, contou que era aluno de Regiane e disse sentir a falta da professora de Língua Portuguesa. “Além de ser professora ela era como uma mãe. Sinto muita falta dela. Estou aqui nesse ato porque não acho necessário matar ninguém. Nada justifica um ato de brutalidade como esse. As mulheres estão sofrendo muito, são inúmeros casos de abuso. Tenho quatro irmãs, de 13, 21, 22 e 25 anos e o que não quero para elas não desejo a mulher nenhuma”, declarou.

Fonte: Folha 1

Você pode Gostar de:

Seminário debate contradições e potencialidades de Campos dos Goytacazes

As “singularidades, contradições e potencialidades de Campos” esteve em debate no início deste mês no …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *